O que fazer quando o dinheiro não rende até o final do mês.

Geral

Postado por: adc


18 de fevereiro de 2021



Às vezes, uma conta mais alta soma-se um problema, ou o encanamento da casa, e está criado o problema: como pagar todas as contas e mais os gastos inesperados?

Calma! Você não está sozinho! Uma pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) apontou que 36% dos brasileiros não conseguem pagar suas contas nas datas de vencimento.

Quando isso acontece é preciso ter calma e lucidez para reduzir os prejuízos e enfrentar a situação.

Uma ótima dica é priorizar as despesas mais “perigosas”. Isso significa pagar primeiro todas as contas que tiverem multas e juros altos, além daquelas que fazem parte das necessidades básicas, como água e luz, por exemplo.

Ao invés de alimentar pensamentos negativos, aproveite a situação para enxergar longe e comece a identificar todos os gastos que podem ser reduzidos, a fim de que seu orçamento de despesas fixas vá ficando cada vez mais leve.

Outro ponto importante é entender como surgem as dívidas. E isso só é possível mantendo a vida financeira organizada. Quando não mantemos um relacionamento próximo com nossa vida financeira, estamos mais propensos aos gastos por impulso, e até usamos “frases gatilhos”, como “Eu mereço.” ou “Eu acho que dá para pagar.”. Mas a realidade é a do cálculo que está na sua planilha de orçamento familiar. Mesmo depois de se endividar, se você reduzir seus gastos fixos, logo irá amortecer a dívida.

E se o dinheiro está sempre acabando antes do fim do mês, é hora de ligar o sinal de alerta e entender que você está levando uma vida acima das suas reais possibilidades econômicas. Porém, isso não é motivo para ficar triste ou desanimado. É tempo de retomar o controle da situação. Pense em coisas que são prazerosas para você e que não requerem muitos gastos, e adapte ao seu bolso aquelas que têm pesado no orçamento.

Lembre-se de que quanto menos você compra, menos tem contas para pagar. Então procure levar uma vida mais leve, evitando parcelamentos em cartão de crédito, reduzindo a ansiedade de consumo e buscando ser feliz pelo que você é e não pelo que você tem. Cuidar de você e do seu estado emocional também é cuidar do seu bolso.


Comentar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *